Crenças limitantes podem acabar com sua vida. Saiba como combatê-las

Tempo de leitura: 5 minutos

As crenças limitantes são as principais responsáveis por grande parte dos sonhos e projetos que um dia fizeram nossos olhos brilharem e nossos corações palpitarem mais rápido, mas que hoje estão enterrados no cemitério da vida, deixando como lembrança, uma irritante frustração. Elas se manifestam de várias formas, desde uma voz na sua cabeça dizendo que é melhor desistir, até o espírito-de-porco, com as melhores das intenções (pode ser até sua mãe) que despeja um balde de gelo nos seus planos, quando afirma categoricamente: você não pode fazer isso.

Felizmente, existem várias maneiras de neutralizar essas mensagens infernais que acabam com nosso entusiasmo. Uma delas, é adotando e fortalecendo crenças que nos impulsionam, nos motivam, que nos façam ver que somos capazes de viver uma vida plena e não merecemos a mediocridade.

Nos anos 60, o que não faltava na música popular, eram letras com teor machista. Basicamente, o homem dava as cartas e a mulher tinha duas opções: ficar calada e chorar ou, se fosse mais ousada, sussurrar um acanhado “sim senhor” e engolir o choro, como dizia minha Avó.

Neste contexto, uma das canções mais machistas dos Beatles (You Can´t Do That), alertava – ou melhor, ameaçava – a garota para não falar com outro rapaz, afinal ela já tinha dono. O candidato a corno, mencionava que as pessoas iriam rir dele, quando soubessem que sua namorada ficava de conversinha fiada com outro, e isso o deixava louco de raiva.

Por isso, ele era taxativo: você não pode fazer isso!!

 
 

Na vida prática, sempre tem alguém dizendo a mesma coisa e, tal qual a garota da canção, nós ficamos calados e obedecemos sem contestar, com o rabo entre as pernas, como um cachorrinho que destruiu todas as almofadas da sala.

Às vezes, caio na tentação de me irritar com o meu computador, especialmente o laptop e suas teclas sensíveis. No meio de um trabalho, quando estou no ápice da concentração, esbarro em algum comando e aparece uma tela ou alguma coisa que não tenho ideia de como surgiu. E pior: não sei como voltar à condição original (se você está rindo, é porque já passou por isso).

Depois de fuçar muitas possibilidades, consigo encontrar a causa. Mas, neste ponto, a concentração já foi parar em dos anéis de saturno.

O pobrezinho do computador não tem culpa da minha falta de habilidade ou cuidado. Na verdade, ele executa a função pelo qual foi projetado: obedece, sem questionar, os comandos que eu aciono, mesmo os acidentais, que me tiram do sério por alguns longos segundos.

A mente funciona da mesma forma. Simplesmente executa, sem questionar, os comandos que fornecemos a ela, mesmo àqueles que não gostaríamos de programar, nem em nossos piores pesadelos. Através destes comandos a mente aciona os padrões de comportamento que adotamos. E são esses padrões que definem qual a direção que nossas vidas vão tomar. Alguns dos comandos são conhecidos como crenças.

Imagine se as crenças fossem um objeto que você poderia comprar em uma loja ou no mercado livre.  A descrição seria mais ou menos assim.

  • Crenças fortalecedoras: produto de qualidade garantida para conduzir ao sucesso. Incentiva a busca por superação contínua, além de produzir energia, alegria de viver, realização de sonhos, coragem para enfrentar desafios, dentre outros benefícios.  Apenas R$ 0,01, incluindo frete.
  • Crenças limitantes: excelente produto para gerar insegurança, incapacidade de realização, medo, depressão, sentimento de derrota, frustração, raiva de si mesmo e do mundo, mediocridade de pensamento, dentre outros malefícios. Apenas R$ 0,01, incluindo frete.

Analisando desta forma, você pensaria duas vezes qual produto comprar?

Pois saiba que muita gente escolhe as crenças limitantes para comandar sua mente, e se lamenta por obter, justamente, os resultados que não queriam.

O que elas não percebem é que os resultados são, exatamente, o que deveriam obter, quando alimentaram suas mentes com tantos comandos inadequados aos seus propósitos de origem.

Quem quer, conscientemente, ser um perdedor na vida? Quem, em plena capacidade de suas faculdades mentais, desejaria algo do tipo: ah, se Deus quiser, até o fim do ano, vou estar bem deprimido, sem motivação, sem capacidade de realização e totalmente na merda.

O funcionamento desta incrível e complexa máquina chamada mente, é (paradoxalmente) extremamente simples: se você acredita que será bem-sucedido em alguma coisa, seu conjunto de crenças fortalecedoras vai impulsioná-lo para a vitória. Se acreditar que vai fracassar, suas crenças limitadoras vão trabalhar para provar que você tem toda razão.

Você pode escolher em o quer acreditar. Nada é imutável neste campo.

Então, quando surgir aquela voz sussurrando “você não pode fazer isso”, busque provar que ela está errada. Saía de onde está (estado emocional) e dê um passo à frente, seja ele qual for.

Crenças limitadoras se alimentam de nossa acomodação. Para surgir o novo, é preciso sair de onde se está.

Quando estacionamos em uma situação, o cenário é sempre o mesmo, e pode até parecer seguro e confortável, à princípio. Porém, se um dia você tentar sair, poderá sentir muita dificuldade. Criou-se raízes, tal qual uma árvore. E quanto mais o tempo passa, mais as raízes se fortalecem, impedindo que você saia para viver uma existência plena.

Se permita dar um passo além, mesmo que possa parecer doloroso. Desta forma, vai criar conexões neurais que vão se expandir e se fortalecerem, e o que parece impossível hoje, se tornará perfeitamente viável amanhã.

Posso até imaginar você torcendo o nariz, dizendo a si mesmo que é difícil, que isso só funciona com os outros, coisa e tal. Mas para fechar o assunto, peço que você dê uma olhada neste artigo, publicado no site da Academia Brasileira de Coaching, e entenda porque Você é Mais Forte Que Imagina.

 

Lembre-se: Eles podem porque pensam que podem (Virgílio)

 

Este artigo fez sentido pra você? Se sim, deixe um comentário. Se não, deixe uma esculhambação

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *