Uma inesquecível noite em 1967 – III Festival de Música Popular Brasileira

Tempo de leitura: 2 minutos

Pirei. Não dá pra não pirar com o documentário Uma Noite em 67, dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil. É um deleite para quem gosta de música brasileira.

No dia 21 de outubro de 1967, uma multidão lotou o teatro Paramount para assistir a final do III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Eu, por não ter idade para viajar sozinho (estava com apenas seis meses), não pude comparecer.

Mas, apenas para registro, Woodstock eu não perdi!!

No mesmo palco, passaram naquela noite mágica, gente como Chico Buarque, Caetano Veloso, Roberto Carlos, Edu Lobo, Elis Regina, Nara Leão, Gilberto Gil, Mutantes, MPB4, dentre vários outros.

 

Uma constelação de estrelas que estava nascendo ali, bem em frente aos olhos dos sei lá quantas pessoas que vaiavam e aplaudiam na mesma intensidade. As cenas raras de bastidores são um atrativo a mais.

O Blota Junior entrevista Roberto Carlos enquanto passam pelo lado Arnaldo Baptista, Gilberto Gil, Caetano. Os comentários atuais das pessoas que estavam presentes, a inclusão de músicas que passaram batidas na época e aquela inevitável comparação do como o cara era e como está hoje em dia são bem divertidas.

Uma noite em 67 resgata uma época que os festivais eram fervorosos. Tinha disputa, apostas e até briga pelos prediletos. O público cantava junto, aplaudia, jogava ovo, enfim, era uma época que a música popular brasileira dava o que falar.

 

 

Tudo isso sem contar, naturalmente, as performances histórias de Roda Viva, Ponteio, Alegria Alegria e Domingo no Parque.

Tem até a apresentação de Sergio Ricardo, puto da vida, quebrando o violão e jogando na plateia. E depois um preocupado Blota Junior perguntando aos atingidos pelo instrumento: machucou, machucou?

 

Para quem optar em assistir o DVD ou Blue Ray, não se esqueça dos EXTRAS, recheados de histórias divertidas e curiosas. Muito legal mesmo.

Trata-se de uma obra altamente recomendável para os que amam música. Impossível não fazer um comparativo mental dos geniais festivais dos anos 60 e os atuais caça talentos (com muita técnica e sem alma) tipo Ídolos e afins.

Confira no link abaixo o documentário na íntegra

 

Uma noite em 67

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *